Repórter diz que jornalistas são proibidos de entrar em “coletiva” de Queiroga

Coletiva do ministro Marcelo Queiroga

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Não é só o presidente Jair Bolsonaro, no governo, que não gosta da imprensa. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, concedeu nesta quinta-feira (13) uma “coletiva” sem a presença de jornalistas em São Paulo.

Queiroga veio à São Paulo para receber o primeiro lote de imunizantes infantis da Pfizer e foi montada uma estrutura para uma coletiva de imprensa. Segundo o jornalista Victor Ferreira, da Globo e GloboNews, no entanto, somente cinegrafistas e fotógrafos foram autorizados a acompanhar. Repórteres, não.

“O Ministério da Saúde inaugurou a coletiva de imprensa sem repórteres. Cinegrafistas e fotógrafos foram convidados a entrar, repórteres, não. Perguntar ofende. Queiroga vai tirar foto com as vacinas infantis, falar o que quer no púlpito e sair sem ser questionado sobre nada”, denunciou Ferreira em suas redes sociais.

Ao entrar ao vivo na GloboNews para noticiar a declaração de Queiroga, o jornalista reforçou que nenhum repórter pôde fazer perguntas.

De fato, nas transmissões veiculadas pelos canais oficias do Ministério da Saúde na internet, é possível ver que Queiroga faz o pronunciamento e deixa o local sem receber nenhum questionamento.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que restringiu o número de pessoas no local pelo fato dos lotes de vacina conterem “insumos sensíveis”.

“O Ministério da Saúde esclarece que a área de armazenamento onde foram recebidas as vacinas contém insumos sensíveis, portanto a circulação de pessoas é restrita e controlada ao menor número possível. A prioridade foi garantir as imagens de forma igualitária para todos os veículos de imprensa”, diz a nota.

Mudança de tom

Marcelo Queiroga finalmente teve que admitir. Na manhã desta quinta-feira (13), ao receber em São Paulo o primeiro lote de imunizantes infantis da Pfizer, ele afirmou que “a variante ômicron do coronavírus causa formas menos impactantes de Covid, sobretudo naqueles que estão vacinados”.

Mesmo assim, o ministro disse que isto ocorre, “apesar da ciência não ter nos dado ainda todas as respostas acerca da eficácia das vacinas em relação a variante ômicron”.

Queiroga afirmou ainda que “aqueles que se internam nos hospitais, nas unidades de terapia intensiva, a grande maioria são de indivíduos não vacinados”.

De acordo com ele, “estamos aqui falando sobre vacinas infantis, mas é necessário reafirmar a orientação para que aqueles que não tomaram a segunda dose, que há muitos no Brasil, muito menos do que em outros países, e aqueles que ainda não tomaram a dose de reforço, que procurem a sala de vacinação para completar seu esquema vacinal”.

Fonte: Revista Fórum

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VEJA MAIS