“Tratamento precoce” de Bolsonaro eleva risco de lesão renal aguda em pacientes com Covid-19

Modelo de um rim humano

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Estudo encampado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) mostra que a utilização do “tratamento precoce”, amplamente defendido pelo presidente Jair Bolsonaro como terapia contra a covid-19, aumenta o risco de pacientes internados com a doença apresentarem quadro de Lesão Renal Aguda (LRA).

Remédios como hidroxicloroquina e azitromicina já haviam dado outras indicações de que, além de comprovadamente não terem eficácia contra a doença, podem agravar o quadro de saúde e até matar.

O ponto central do estudo da Unifesp foi avaliar a incidência da LRA em pacientes internados para tratar a covid-19. Após analisarem 278 casos, chegaram à conclusão que 198 deles apresentaram problemas graves nos rins. Desse grupo, metade acreditou em Bolsonaro e fez o tratamento precoce. Já entre os que não evoluíram para a Lesão Aguda Renal, a porcentagem de quem usou hidroxicloroquina e azitromicina foi de 30%.

Hipertensão e diabetes

De acordo com a Agência Einstein, o estudo mostrou ainda que a hipertensão foi outro fator associado à aparição da LRA, aparecendo em 70% dos casos. Por outro lado, não foram constatadas diferenças na análise de indicadores como idade, gênero, sobrepeso ou quadro de diabetes.

“Observamos que o maior risco para pacientes com LRA após covid foi independentemente associado com marcadores sanguíneos inflamatórios, histórico de hipertensão arterial, terapia com hidroxicloroquina e azitromicina e necessidade de vasopressores para aumentar a pressão arterial quando esta encontrava-se muito baixa”, detalha Miguel Angelo de Góes Junior. Ele é docente da disciplina de Nefrologia da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp) e um dos especialistas envolvidos na pesquisa. “A LRA foi identificada com elevação dos níveis sanguíneos de creatinina ou redução no volume urinário”, complementa.

Morte e transplante

Apesar de ser amplamente descartada por um sem número de especialistas no mundo inteiro, inclusive pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Bolsonaro constantemente defende a uso de medicação sem eficiência contra a covid-19, como hidroxicloroquina e azitromicina. Muitos de seus fiéis seguidores compram a ideia e o resultado é trágico.

Na segunda-feira (5), por exemplo, um homem de 69 anos morreu no Rio Grande do Sul após passar por uma nebulização de hidroxicloroquina. Em março, outros três casos vieram à tona, também em terras gaúchas. Todos tendo a mesma médica responsável pelo procedimento. De acordo com matéria do portal G1, o diretor técnico do hospital, Tiago Bonilha, informou que três dos quatro internados que fizeram o tratamento apresentaram taquicardia ou arritmias após a nebulização.

Fila de transplante

Em São Paulo, de acordo com o jornal O Estado de São Paulo, há pelo menos três mortes por hepatite suspeitas de terem ligação com o tratamento precoce. O mesmo veículo afirma, que outras cinco pessoas precisaram entrar na fila de transplante de fígado após passar pela mesma terapia.

“Eles chegam com pele amarelada e com histórico de uso de ivermectina e antibióticos”, disse Luiz Carneiro D’Albuquerque, professor e chefe de transplantes de órgãos abdominais do HC-USP. “Quando fazemos os exames no fígado, vemos lesões compatíveis com hepatite medicamentosa. Vemos que esses remédios destruíram os dutos biliares, que é por onde a bile passa para ser eliminada no intestino”, explicou.

Fonte: Rede Brasil Atual

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *