Papa Francisco pede mais vacinas para países pobres

Papa Francisco celebra missa de Páscoa

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

“No espírito de internacionalismo das vacinas, eu exorto toda a comunidade internacional a se comprometer para superar os atrasos na distribuição e favorecer o compartilhamento, em particular com os países mais pobres”, declarou o papa em sua homilia durante a missa do domingo de Páscoa. 

Mais uma vez sem público na Basílica de São Pedro, o papa Francisco pediu à comunidade internacional para compartilhar as vacinas contra a covid-19 com os países pobres, informa o UOL.

Por conta das restrições sanitárias, apenas algumas dezenas de religiosos e fiéis foram autorizados a participar da celebração. Na bênção Urbi e Orbi, ele ressaltou que as vacinas “constituem um instrumento essencial na luta” contra a pandemia e seus efeitos econômicos. Francisco tem sido um árduo defensor da imunização em massa e contra o “negacionismo suicidário” dos que se recusam a se proteger, afirmou em janeiro.

O pontífice também homenageou os milhares de profissionais da saúde, que permanecem mobilizados nos hospitais para salvar doentes do coronavírus neste domingo de Páscoa. “Que o Senhor lhes reconforte e apoie os esforços dos médicos e enfermeiros”, disse, estendendo a bênção aos doentes e àqueles que perderam alguém para a doença que já matou mais de 2,8 milhões de pessoas no mundo.

O papa pediu ainda que os governos providenciem “ajuda necessária para uma subsistência suficiente às famílias mais necessitadas” neste período de pandemia, e demonstrou preocupação com as crianças e jovens privados de escola.

“Nós todos precisamos viver relações humanas reais e não apenas virtuais, particularmente na idade em que se formam o caráter e a personalidade”, afirmou. O papa também voltou a pedir a reabertura dos locais de culto e de religião, apesar dos riscos de contaminação nos ambientes fechados.

Francisco lembrou ainda os conflitos armados que permanecem pelo planeta, apesar da Covid-19. Ele citou Mianmar, Haiti, Síria, Ucrânia e Sahel, entre outros, e julgou “escandaloso” que as guerras e a corrida aos armamentos continuem no contexto sanitário atual. Mencionou ainda o Iêmen, “envolto por um silêncio ensurdecedor e escandaloso”.

“Como um mundo sem esses instrumentos de morte seria melhor”, frisou. “Que o Senhor, nossa paz, nos ajude a vencer a mentalidade da guerra”, sublinhou o papa.

Com informações da AFP e Reuters

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *