UFMG desenvolve teste mais rápido e barato que detecta variantes da Covid-19

Instituto de Ciências Biológicas da UFMG

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Pesquisadores do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) desenvolveram um teste rápido para avaliar a infecção pelo novo coronavírus. O exame é capaz de detectar as variantes mais presentes no Brasil e no mundo: as brasileiras (P1, mais conhecida como a variante de Manaus, e P2), a B.1.1.7 (inglesa) e a B.1.351 (africana).

Segundo os responsáveis pelo estudo, o teste é uma alternativa mais rápida e mais barata para identificar as novas cepas. O procedimento custa R$ 70 e tem seus resultados em até 6 horas. Outros exames realizam a busca por sequenciamento genético. A análise demora 6 semanas e custa de R$ 500 a R$ 600.

O sequenciamento genético exige equipamentos especializados e de alto custo. Já oteste da UFMG pode ser processado por qualquer laboratório que realiza exames de diagnóstico da covid-19 RT-PCR.

Renato Santana, docente do Departamento de Genética, Ecologia e Evolução do ICB (Instituto de Ciências Biológicas) explica que o novo método também é mais preciso: “Quando realiza o sequenciamento convencional, você faz uma projeção, pois ele é feito apenas com centenas de amostras. Com o novo teste, que consegue varrer um número muito maior de amostras, é possível visualizar a frequência das variantes de forma mais fidedigna e condizente com a realidade”.

Contudo, o testa da UFMG não é capaz de identificar novas variantes –o exame apenas detecta as cepas já conhecidas do vírus. Apenas o sequenciamento genético consegue localizar as novas variações do coronavírus.

Santana esclarece: “Depois da descoberta, o teste que desenvolvemos se torna a melhor ferramenta para detecção, pois pode ser constantemente adaptado para reconhecer as que aparecem. Os 2 testes são, portanto, complementares”.

O grupo de pesquisadores do Instituto de Ciências Biológicas está estudando a circulação da variante P2 – que apareceu em Belo Horizonte – no restante do país a partir de uma parceria com o Instituto Hermes Pardidini.

Com informações da Agência Brasil e UFMG

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *