Agravamento da pandemia no Brasil faz montadoras suspenderem produção

Veículo na linha de montagem

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Diversas fabricantes e montadoras de carros interromperam sua produção no Brasil, nesta semana, por conta do agravamento da pandemia de covid-19. Nesta quinta-feira (25), a Renault suspendeu as atividades na fábrica de São José dos Pinhais (PR), enquanto a Nissan paralisou a operação em Resende (RJ). Durante esta semana, a Volkswagen também suspendeu as atividades relacionadas à produção de todas as unidades nos estados de São Paulo e Paraná, por causa do agravamento da pandemia da covid-19. A Mercedes-Benz do Brasil informou que também interromperá as atividades produtivas de suas fábricas de veículos comerciais de São Bernardo do Campo (SP) e Juiz de Fora (MG), a partir desta sexta-feira (26), com retorno previsto para 5 de abril.

“A Volkswagen está paralisada desde ontem, com cerca de 8 mil trabalhadores. A Scania é uma fábrica de caminhões, aqui em São Bernardo do Campo, com cerca de quatro mil trabalhadores e param nesta sexta. A Mercedes Benz, com 9 mil trabalhadores também param nesta semana”, disse o secretário geral do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Moisés Selerges, ao repórter André Gianocari, da TVT.

A Scania Brasil anunciou, na última segunda-feira (22), a interrupção temporária das atividades em sua fábrica de São Bernardo do Campo até 5 de abril. A medida foi negociada com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e foi tomada para auxiliar no combate ao avanço da pandemia de covid-19 em todo o País.

“Na verdade, os trabalhadores reivindicam a saúde, poder viver. O sindicato vem acompanhando a questão da pandemia e, aqui na região, o sistema de saúde público e privado entrou em colapso nos leitos de enfermaria e UTI”, afirmou Selerges.

Os metalúrgicos do ABC defendem, além do confinamento, incentivos fiscais, apoio das montadoras ao SUS e mais vacinas, durante a pandemia. “A lei diz que as empresas privadas podem comprar as vacinas e doar ao SUS até que os grupos prioritários sejam imunizados. Então, nós estamos pedindo para que as empresas também comprem as vacinas”, finalizou o secretário geral.

Com informações da Rede Brasil Atual

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VEJA MAIS