Após voto contra a suspeição de Moro, Gilmar chama Nunes Marques de “juiz covarde”

Ministros do STF

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Após votar contra a suspeição do ex-juiz Sergio Moro em julgamento na Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal, na tarde desta terça-feira (23), o ministro Kássio Nunes Marques, indicado por Jair Bolsonaro, ficou completamente desmoralizado e teve todos os seus argumentos desmontados por uma fala contundente de Gilmar Mendes, feita logo após sua manifestação, e em seguida de Ricardo Lewandowski.

Uma das declarações mais fortes de Gilmar foi quando chamou o colega de “covarde” por não ter declarado que Moro foi parcial ao julgar os processos contra o ex-presidente Lula. Citando Rui Barbosa, declarou: “Atrás muitas vezes da técnica de não conhecimento de habeas corpus se esconde um covarde. E Rui falava: o bom ladrão salvou-se, mas não há salvação para o juiz covarde”.

Assista à fala de Gilmar Mendes:

Em sua manifestação após o voto de Kassio Nunes Marques, Gilmar Mendes voltou a fazer duras críticas aos atos da força-tarefa de Curitiba e desmontou com indignação, e em alguns momentos emoção, um argumento usado longamente pelo colega: o de que mensagens hackeadas, “frutos de um crime”, não poderiam ser usadas como provas para um “suposto erro de Moro”.

“Vamos ser sérios, tratar isso com seriedade. E não precisa de áudios, vamos falar do processo. Tô falando do que está nos autos, não tô falando de hacker. Mas devo reconhecer que os hackers ajudaram a compreender todo o fenômeno que aí estava. Não tem mais como apagá-lo. Aquilo que a defesa apontava ganhou substância”, declarou Gilmar, lembrando que as conversas dos procuradores não constam no habeas corpus apresentado pela defesa de Lula.

Em outro momento, Gilmar também criticou o argumento de Nunes Marques de que o habeas corpus não seria válido para discutir a suspeição de Moro. “Combinação de ação entre o Ministério Público e o juiz encontra guarida em algum texto da Constituição? Isto tem a ver com garantismo?”, respondeu.

O ministro Ricardo Lewandowski também se manifestou em seguida, apoiando os argumentos de Gilmar Mendes. “Citei dez habeas corpus, assentei no meu voto, que o habeas corpus é um remédio por excelência para reconhecer nulidades processuais. E a suspeição é uma nulidade absoluta, que não convalesce, e portanto não está sujeita à preclusão. Eu enfrentei esta questão apoiado em firme jurisprudência da casa”, disse Lewandowski.

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *