Biden afirma que Putin é “assassino” e “pagará o preço” por interferência

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Em entrevista à rede de televisão ABC News nessa quarta-feira (17), o presidente dos EUA, Joe Biden, chamou o líder russo, Vladimir Putin, de “assassino” e afirmou que ele “pagará o preço” por interferir nas eleições norte-americanas.

“Você acha que Vladimir Putin é um assassino?”, perguntou o apresentador, George Stephanopoulos.

“Sim, acho que sim”, respondeu Biden.

A entrevista foi feita um dia depois de um relatório da inteligência norte-americana apontar que tanto a Rússia quanto o Irã tentaram influenciar o resultado da última eleição presidencial dos EUA.

“Eles pagarão um preço (pela interferência)”, afirmou Biden.

O presidente norte-americano lembrou que havia alertado Putin sobre uma possível resposta durante uma ligação no final de janeiro, logo depois que o democrata assumiu a Casa Branca.

“Tivemos uma longa conversa, ele e eu. Eu o conheço relativamente bem. E a conversa começou, eu disse: ‘Eu te conheço e você me conhece. Se eu estabelecer que isso ocorreu, então esteja preparado’”, disse Biden.

O relatório dos Serviços Secretos dos EUA revelou que Moscou, com a permissão de Putin, conduziu operações em nome do então presidente dos EUA, Donald Trump.

Na entrevista, Biden declarou que as consequências que a Rússia terá pela tentativa de influenciar as eleições de 3 de novembro virão em breve.

“Você as verá em breve. Na minha experiência, a coisa mais importante ao lidar com líderes estrangeiros, e já lidei com muitos, é conhecer a outra pessoa”, falou o democrata.

Biden lembrou a ocasião em que, em um encontro com Putin, ele olhou nos olhos do russo e disse: “Eu não acho que você tem uma alma”. A resposta de Putin foi: “Você e eu nos entendemos”.

A frase ecoa a famosa anedota do ex-presidente George Bush, que, depois de se encontrar com o presidente russo em 2001, disse que o olhou nos olhos e foi capaz de “sentir sua alma”.

Segundo o relatório da inteligência norte-americana, as agências de espionagem dos EUA não encontraram nenhuma evidência de que qualquer figura estrangeira de peso conseguiu mudar o resultado das eleições por meio da manipulação de registro de eleitores, falsificação de votos ou alterações na contagem de resultados.

O porta-voz do governo russo, Dmitry Peskov, afirmou que o relatório de inteligência “não tem base”. Ele lamentou a possibilidade de que o documento, ao qual disse estar “longe de ser rigoroso”, seja usado como pretexto para impor novas sanções à Rússia.

A investigação, para a qual a CIA, o FBI e a NSA (Agência de Segurança Nacional) colaboraram, também revelou os esforços do Irã para minar a confiança no processo eleitoral para prejudicar a reeleição de Trump.

O documento mostrou que a Rússia e o Irã “espalharam declarações falsas ou exageradas, argumentando que os sistemas de votação eram supostamente indignos de confiança, o que enfraqueceu a confiança do público no processo e no resultado”.

Os serviços de inteligência dos EUA, em seu dossiê de 15 páginas, apontaram que o objetivo da Rússia e do Irã não era apenas “minar a confiança pública no sistema eleitoral”, mas também “exacerbar divisões nos Estados Unidos”.

Biden é um velho conhecido de Putin de seu tempo como vice-presidente no governo de Barack Obama, quando ele teve uma relação tensa com o líder russo, principalmente sobre a anexação da península ucraniana da Crimeia.

O presidente da Câmara dos Deputados da Rússia, Viacheslav Volodin, acusou o presidente dos EUA de comentários que descreveu como um “ataque” à Rússia.

“Biden insultou os cidadãos do nosso país com sua declaração. Isso é histeria por causa da impotência. Putin é nosso presidente e um ataque a ele é um ataque ao nosso país”, disse Volodin.

Fonte: Poder 360

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *