Jeanine Áñez e ex-ministros bolivianos são condenados a 4 meses de prisão preventiva

Jeanine Áñez

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

A juíza de Investigação Criminal de La Paz, Regina Santa Cruz, decretou neste domingo (14) quatro meses de prisão preventiva para a ex-presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez. O Ministério Público havia pedido uma pena de seis meses.

Com os ex-ministros Álvaro Coímbra e Rodrigo Guzmán, Áñez foi acusada de sedição, conspiração e terrorismo.

Após ouvir a sentença, a ex-presidente interina escreveu em sua conta no Twitter que ela estava sendo enviada para a prisão “para aguardar julgamento por um ‘golpe’ que nunca aconteceu”.

“Como denunciamos, o (partido em poder) MAS decide e o sistema judicial obedece: eles me mandam para a cadeia por quatro meses para aguardar julgamento por um “golpe” que nunca aconteceu. Daqui eu convido a Bolívia a ter fé e esperança. Um dia, entre todos nós, criaremos uma Bolívia melhor.”, escreveu.

Áñez foi presa como parte de uma investigação sobre os eventos de 2019 na Bolívia, nos quais o então presidente, Evo Morales, foi forçado a renunciar, depois de enfrentar manifestações em massa por alegações de fraude eleitoral. A acusação agora considera os eventos de 2019 um golpe de Estado.

Fonte: Sputnik 

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *