Órgão dos EUA confirma 6 casos de reação alérgica grave à vacina da Pfizer

Vacina para Covid-19

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

O CDC (Centro para Controle e Prevenção de Doenças) informou nesse sábado (19) que seis pessoas desenvolveram reação alérgica grave depois de receberem doses da vacina anti-covid-19 da Pfizer/BioNTech nos Estados Unidos.

Tom Clark, epidemiologista do CDC, falou sobre as reações em reunião com o Comitê Consultivo em Práticas de Imunização do órgão, que debateu a autorização ao imunizante da Moderna.

Segundo Clark, as pessoas afetadas são adultos com menos de 65 anos. Ele disse que a maioria foi hospitalizada e tratada. O epidemiologista falou que as seis pessoas não receberão a segunda dose do imunizante.

O CDC foi informado de todos os casos através de sistemas federais de monitoramento de segurança das vacinas. Clark disse que ainda não está claro se um ingrediente da vacina foi a causa direta das reações.

Pouco mais de 3.000 das 112.807 pessoas que receberam o imunizante relataram algum sintoma que as impediram de realizar tarefas diárias. Segundo o epidemiologista, não foi necessário nenhum cuidado médico na maioria dos casos.

A vacinação teve início em 14 de dezembro nos Estados Unidos. Na quarta-feira (16) foi relatado que 2 profissionais da área da saúde tiveram forte reação alérgica ao imunizante da Pfizer/BioNTech. Uma das pessoas é uma mulher sem histórico de alergias.

Casos semelhantes já tinham sido relatados no Reino Unido. Em 8 de dezembro, 1º dia de vacinação no país, duas pessoas tiveram reações alérgicas depois de receberem doses da vacina.

A MHRA (Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde do Reino Unido) informou que eles foram tratados e estavam bem. A agência recomendou que pessoas com histórico de reações alérgicas severas não recebam a imunização.

A Pfizer e a BioNTech anunciaram o resultado final dos testes em 18 de novembro. A vacina mostrou 95% de eficácia na prevenção da covid-19. Os estudos não mostraram nenhum evento que motivasse preocupações de segurança.

A FDA (Food and Drug Administration), agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, aprovou a vacina da Pfizer/BioNTech em 11 de dezembro. Dois dias depois, em 13 de dezembro, o CDC anunciou a autorização para uso emergencial do imunizante.

VACINA DA MODERNA

O comitê do CDC recomendou que o órgão aprove a vacina da Moderna. O imunzante já recebeu o aval da FDA. A expectativa é que o CDC dê luz verde à vacina neste domingo (20) e a aplicação do imunizante comece na segunda (21).

Serão 6 milhões de doses do imunizante da empresa na 1ª etapa de vacinação. No total, o governo norte-americano fechou acordo para adquirir 200 milhões de doses da Moderna, que serão entregues progressivamente.

Como são necessárias duas doses, esse número serviria para imunizar 100 milhões de pessoas.

Na terça-feira (15), a FDA publicou uma análise detalhada da vacina e indicou uma avaliação positiva de 2 pontos importantes para a aprovação do uso emergencial: a segurança e eficácia do imunizante.

Fonte: Poder360

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *