Marinho diz que apresentou provas ao MPF sobre vazamento no caso Queiroz

Empresário Paulo Marinho

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

O empresário Paulo Marinho, suplente do senador Flavio Bolsonaro, prestou novo depoimento nesta quinta-feira (21), desta vez ao Ministério Público Federal (MPF). Ele já havia sido ouvido pela Polícia Federal (PF) no dia anterior.

Os depoimentos ocorrem depois de Marinho ter afirmado, em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, que o seu companheiro de chapa teria sido alertado com antecedência sobre a operação Furna da Onça, da Polícia Federal, em 2018.

O empresário contou que o senador lhe teria revelado que sabia sobre a investigação do esquema da “rachadinha” que envolvia o ex-assessor Fabrício Queiroz, por um delegado da PF do Rio de Janeiro. Também disse que o filho do presidente contou que o inquérito foi adiado para depois das eleições de 2018. A defesa de Flavio nega que ele ou Queiroz tenham recebido qualquer informação vazada da Polícia Federal.

Marinho depôs ao MPF por cerca de 3 horas na tarde desta quinta-feira (21). Disse que levou aos investigadores “novos elementos” sobre suas acusações. “Apresentei novos elementos, diferentes da minha entrevista”, declarou.


ACOMPANHE NOSSAS REDES SOCIAIS


Por meio de seu perfil no Twitter, o empresário comentou as novas diligências. Disse que “o procurador afirmou que as investigações serão aprofundadas”.

Entenda o caso

O relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que acendeu o caso na mídia está relacionado à operação Furna da Onça, que levou à prisão 10 deputados estaduais do Rio. Servidores da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro tiveram suas contas bancárias esmiuçadas pelo Coaf, inclusive Queiroz.

A assessoria de Flavio Bolsonaro afirma que não há “informação de qualquer fato que desabone” a conduta do ex-assessor, exonerado em outubro de 2018, período que coincide com o suposto vazamento da operação da PF.

Além de trabalhar no gabinete de Flavio, Queiroz é amigo pessoal do presidente Jair Bolsonaro. Em 2013, postou em seu perfil no Instagram uma foto com o militar, pescando.

Com informações do Poder 360

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *