Bolsonaro vai incluir todas as categorias no congelamento de salários

Bolsonaro se reune com governadores

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quinta-feira (21) que vai “sancionar o mais rápido possível” o projeto de lei de socorro financeiro a estados e municípios. Ele também disse que vai vetar o trecho do projeto que abre exceções para o congelamento de salários. Antes, porém, vai publicar um decreto para chamar concursados da Polícia Rodoviária Federal.

“Estamos acertando pequenos ajustes que estão na iminência de serem solucionados”, disse o presidente durante reunião com governadores, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM/AP).

O projeto dá para as unidades da federação um pacote de R$ 60 bilhões pago em parcelas por quatro meses. Em troca, as autoridades locais terão de congelar os salários no serviço público por um ano e meio. No entanto, diversas categorias, com o apoio do governo, foram excluídas da suspensão de promoções pelo Congresso.Leia mais

Escolhido como um dos três porta-vozes dos governadores, Reinaldo Azambuja (PSDB/MS) pediu que a primeira parcela seja paga até o dia 31 de maio e que Bolsonaro  vetasse o trecho que poderia abrir exceções para aumento salarial do funcionalismo. “Essas despesas com pessoal, se tivermos 2020, 2021, vejo quase impossível dar qualquer aumento agora. A maioria dos governadores entende, a prerrogativa é do senhor, mas o veto deste artigo é fundamental”, afirmou o governador ao abrir a reunião.

O tucano afirmou que o pedido é da maioria dos governadores, mas a posição sobre o reajuste não era unanimidade entre eles.

Também discursaram na reunião como representantes os governadores Renato Casagrande (PSB/ES) e João Doria (PSDB/SP).

Após briga com Bolsonaro, Doria elogia presidente e pede paz

A última reunião de Bolsonaro com governadores, no dia 25 de março, foi marcada por um embate entre João Doria e Jair Bolsonaro.

No encontro desta quinta-feira, o clima foi mais ameno. “Quero exaltar e cumprimentar a forma como a reunião está sendo conduzida, a união de todos. O Brasil precisa estar unido para vencer a crise, ajudar a proteger a saúde dos brasileiros. O nosso foco neste momento é exatamente esse, proteger os brasileiros em todo o Brasil. A guerra, a existência de uma guerra como foi já foi dito aqui, coloca em todos em derrota, ninguém ganha com uma guerra”, disse Doria.

O tucano chegou a fazer elogios direto ao presidente Jair Bolsonaro. “Fico feliz pelo presidente Jair Bolsonaro por todas as intervenções feitas, a começar da sua, depois Rodrigo Maia, Davi Alcolumbre, os dois governadores, Azambuja e Renato Casagrande exatamente nessa linha. Esse é o sentimento dos governadores do Brasil. Vamos em paz, presidente, vamos pelo Brasil e vamos juntos”.

E Bolsonaro respondeu: “governador João Doria, obrigado pelas palavras e parabéns pelo posicionamento de vossa excelência”.

Na reunião de março, o presidente e o governador de São Paulo haviam trocado acusações sobre a forma como cada um tem conduzido as respostas públicas à ameaça da pandemia de covid-19.

Na ocasião, após o governador repudiar o pronunciamento feito por Bolsonaro feito no dia 24 de março, quando minimizou o coronavírus e criticou o isolamento social, o presidente disse que Doria faz um debate eleitoral.

Com informações do Congresso em Foco

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *