Ministério Público Federal aponta estelionato de pastor por vender semente que “cura” coronavírus

Pastor Valdemiro Santiago

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

O Ministério Público Federal (MPF) pediu para a plataforma Youtube tirar do ar um vídeo no qual o pastor Valdemiro Santigo, da Igreja Mundial do Poder de Deus, anuncia uma semente que tem propósito de “curar” o coronavírus. O pastor ainda anuncia no vídeo a intenção de que o grão seja vendido a R$ 1 mil a cada fiel. Segundo o MPF, tal ato pode configurar no crime de estelionato, e deve ser investigado pelo Ministério Público estadual de São Paulo.

“O MPF solicitou que, além de retirar do ar, o YouTube mantenha o material preservado e acautelado em arquivos da empresa, na íntegra, bem como o registro do quantitativo de acessos a eles, para eventuais e futuras providências de responsabilização. A empresa deve responder em cinco dias se tomou as providências requeridas.”, informou o MPF nesta segunda-feira 11.


ACOMPANHE NOSSAS REDES SOCIAIS


No vídeo, o pastor diz que a igreja coleta casos de pessoas curadas após terem semeado o produto. “Só tem um jeito de se vencer essas fases difíceis: semeando. Essa semente, “sê tu uma benção”… você vai semear essa semente e na planta que nascer vai estar escrito ‘Sê tu uma benção’”, diz Valdemiro. Depois, dá o lance inicial – ou “propósito” – de R$ 1000 por fiel. Para quem não puder, o pastor ainda sugere outros valores para financiar a mentira, como R$ 500 ou R$ 100, no mínimo.

Valdemiro Santigo é do circuito de líderes evangélicos que apoiam o presidente Jair Bolsonaro e não propagam notícias conscientizadoras sobre a pandemia, haja vista que as páginas e os sites da Igreja Mundial não possuem recomendações seguras para os fieis.

Para o MPF, o pastor utiliza um “disfarce linguístico” para poder extorquir as vítimas. “Não se pode, a título de liberdade religiosa, permitir que indivíduos inescrupulosos ludibriem pessoas vulneráveis e firam a fé pública.”, escreve o procurador Wellington Saraiva.

Com informações da Carta Capital

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *