Planalto hasteia bandeira em meio-mastro e, depois, volta atrás

Bandeira hasteada a meio-mastro no Palácio do Planalto

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

O Palácio do Planalto hasteou a bandeira nacional em meio-mastro na manhã desta segunda-feira (11), numa possível sinalização de luto pela marca de 10 mil mortes pela covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus), atingida no último sábado (9). A sede do Poder Executivo, no entanto, voltou atrás ainda na manhã desta segunda e colocou a bandeira de volta em sua posição normal.

Eram 9h quando a maioria dos jornalistas começou a chegar para trabalhar no local e encontrou o símbolo nacional hasteado pela metade. Uma hora depois, porém, a bandeira já estava posicionada normalmente.

O Congresso Nacional decretou luto de 3 dias no último sábado. Por isso, a bandeira está em meio-mastro no local.

O Supremo Tribunal Federal (STF) também decretou luto, mas só alterou a posição da bandeira no fim da manhã desta segunda. Ela estava hasteada normalmente até umas 11h. Depois, foi colocada pela metade.


ACOMPANHE NOSSAS REDES SOCIAIS


Já o Poder Executivo, que não emitiu decreto algum sobre um eventual luto, hasteou pela metade e, depois, voltou atrás.

Num primeiro contato para pedir informações a respeito da posição em meio-mastro, o Poder360 questionou a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom), que informou que a resposta cabia à Secretaria-Geral, que informou que a resposta cabia ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI), que não respondeu até o momento de publicação desta reportagem.

Depois, num segundo contato, já com a bandeira hasteada em posição normal, o Poder360 questionou sobre o motivo da mudança com os três órgãos simultaneamente copiados.

A reportagem do Poder360 também subiu ao segundo andar do Palácio do Planalto, onde ficam o GSI e a Secom. A sala da assessoria de comunicação do GSI estava vazia, pois a equipe estaria em reunião no quarto andar, onde a imprensa não tem livre acesso. Já a Secom informou, desta vez, que o assunto cabe ao GSI e que pediria um retorno.

Com informações do Poder 360

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *