Bolsonaro diz churrasco era “fake” e ataca imprensa

Bolsonaro em coletiva no Planalto

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

O presidente Jair Bolsonaro vinha afirmando que faria um churrasco neste sábado (9), inicialmente para 30 pessoas, mas o evento que, agora ele chamou de “fake”, passou a crescer, chegando a ser divulgado pelo próprio chefe do Executivo, que contaria com milhares de convidados.

Inclusive segundo o próprio presidente, os convidados deveriam aderir a uma “vaquinha” no valor de R$ 70 para participar do churrasco, e que, não haveria bebida alcoólica. Bolsonaro também comentou que eles realizaram uma partida de futebol no Palácio da Alvorada.

Porém, neste sábado, Bolsonaro publicou um vídeo, onde aparece dizendo que mentiu propositalmente ao afirmar sobre a existência de um churrasco.


ACOMPANHE NOSSAS REDES SOCIAIS


No final do vídeo publicado por ele, após afirmar para a imprensa que faria o evento, ele cochicha para os seus seguidores que se tratava de uma mentira. “Eles vão botar, não tem churrasco nenhum, eles vão botar (inaudível)”.

Confira o vídeo no Youtube

Na publicação em seu Twitter, Bolsonaro criticou a imprensa, chamando os jornalistas que registraram a fala do presidente da República como “idiotas”. “Alguns jornalistas idiotas criticaram o churrasco FAKE, mas o MBL se superou, entrou com AÇÃO NA JUSTIÇA”, disse Bolsonaro.

Na sexta-feira (8), dia em que o Brasil bateu recorde de mortes por covid-19 em 24h, o presidente zombou da situação afirmando que o churrasco contaria com 3.000 convidados.

A mentira do presidente vem em um momento em que ele luta na Justiça para não precisar provar que disse a verdade, ao negar que tenha contraído covid-19.

O Brasil já soma quase 10 mil mortos pela doença. Desde o início da pandemia, o presidente tem se colocado contra o isolamento social, medida tomada por quase a totalidade dos países de todo o mundo, por ser a mais eficaz, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), para conter a pandemia que já matou 265.862 pessoas em todo planeta.

Com informações do Congresso em Foco

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *