Bolsonaro diz que vai vetar aumento do salário de funcionários públicos

Bolsonaro concede entrevista na saída do STF

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (7) que vai vetar o trecho do pacote de ajuda a Estados e municípios aprovado no Congresso que possibilita aumento de salários em várias categorias de funcionários públicos.

A declaração foi feita durante visita do presidente ao Supremo Tribunal Federal (STF), acompanhado de ministros e empresários.

O projeto foi aprovado pelo Senado na quarta-feira (6), com as modificações introduzidas pela Câmara. Segundo a proposta alterada pelo Congresso, servidores da área de saúde e categorias da segurança pública dos estados e municípios, como policiais militares, além das Forças Armadas, poderiam receber reajuste na crise.

A ideia do presidente de derrubar a possibilidades dos aumentos vem alinhada com o ministro Paulo Guedes. Também presente no STF, Guedes renovou o pedido de contribuição dos funcionários públicos na crise. Segundo ele, o aumento não é justo com a população brasileira nesse momento dramático.


ACOMPANHE NOSSAS REDES SOCIAIS


“Eles têm estabilidade de emprego, salários acima da iniciativa privada. E com 2 anos sem aumento estamos falando de R$ 130 bilhões que poderiam ser usados para preservar vidas, para estender o programa social”, disse Guedes.

O presidente Bolsonaro declarou que aproximadamente 10 milhões de empregos formais deixaram de existir, de acordo com a OID (Organização das Indústrias de Defesa).

Entre os 38 milhões de formais e autônomos, segundo a OID (Organização das Indústrias de Defesa), esse pessoal perdeu 80% do seu poder aquisitivo. Alguns perderam 50% e outros zeraram. Estão sobrevivendo basicamente em cima do auxílio emergencial que acaba daqui a 2 meses”, falou.

Com informações do Poder 360

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *