Shoppings retomam atividades e lojistas apontam queda de 80% nas vendas

Reabertura de shopping em Blumenau (SC)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

A Abrasce (Associação Brasileira de Shoppings Centers) registrou neste sábado (2) a reabertura de 66 estabelecimentos em 41 municípios de 11 Estados. Com as operações retomadas, lojistas apontam queda de 80% nas vendas.

Segundo levantamento da associação, 73 centros comerciais devem retomar as atividades até a próxima segunda-feira (4). Contudo, comerciantes de várias regiões do país relatam, ainda, a falta de amparo jurídico e aumento dos custos. As informações são da Agência Estado.


ACOMPANHE NOSSAS REDES SOCIAIS


Apesar do afrouxamento nas medidas de isolamento social, lojistas dizem que o baixo movimento não cobre os custos de manter a loja em funcionamento. “Vou fechar minhas duas lojas em Santa Catarina”, disse Tito Bessa Jr., dono da marca TNG e presidente da Ablos (Associação Brasileira dos Lojistas Satélites) à agência. “O transporte público não foi liberado (em Florianópolis) e 90% dos funcionários dependem dele para trabalhar”, completou.

Nesse cenário, empresários recorrem ao corte de gastos, sobretudo a renegociação de aluguéis das lojas. Bessa Junior diz que essa renegociação é inevitável e que “não adianta” o shopping insistir na abertura dos estabelecimentos. “A chance do lojista ganhar a causa judicialmente é grande, porque o movimento que o shopping oferece hoje não justifica pagar o que foi contratado”, disse.

Insegurança

Antes de planejar a retomada das operações, os estabelecimentos precisam enfrentar as determinações contraditórias do governo federal e governo estadual. É o que relata Leonardo Carvalho, presidente da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) de Barra do Garças, em Mato Grosso. De acordo com ele, decretos que reabriam o comércio da cidade pela manhã eram derrubados pela Justiça na mesma tarde. “Para um restaurante, que tem margens pequenas, isso é prejuízo certo. A insegurança jurídica pesou”, comentou Leonardo.

Outra problemática é a insegurança da população em sair de casa. Para a Ablos, a previsão é que o movimento nos centros comerciais evolua de maneira gradual, chegando a 70% do nível registrado antes da crise do coronavírus apenas no mês de dezembro deste ano.

Enquanto isso, empresários procuram formas de atenuar a curva de perdas. Segundo a Abrasce, R$ 2 bilhões já foram economizados ao locatários por meio de negociações entre lojistas e empreendimentos.

Fonte: Poder 360

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *