Vídeo: “Bolsonaro e Moro” viram “Eduardo e Mônica” em paródia com crítica política

Sérgio Moro e Jair Bolsonaro

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Começou a circular neste sábado (2), nas redes sociais, uma paródia onde “Eduardo e Mônica” viram “Bolsonaro e Moro”. A letra da clássica música da banda de rock nacional Legião Urbana foi alterada, com harmonia e humor inteligente, para fazer críticas às ações do presidente Jair Bolsonaro e do ex-juiz da Lava Jato e agora ex-ministro da Justiça, Sergio Moro.

O artista trata das irregularidades da operação, da prisão do ex-presidente Lula e da ida do ex-juiz para o governo, bem como a recente troca de acusações entre os dois. “Bolsonaro e Moro travam guerra em Brasília, ambos dizem a verdade e merecem a prisão, mas se, na PF, um amiguinho entrar, deixa os filhos do Bolsonaro livres de investigação…”, encerra o artista, no mesmo tom do autor da letra original, Renato Russo.

Confira:

“Bolsonaro e Moro acabaram confessando sem querer que cometeram muitos crimes pra chegar até o poder. Segundo o juizinho, Bolsonaro lhe disse: me ajuda com a Federal, os caras vão me descobrir. Papo estranho, conversa esquisita, o diretor-geral eu exijo que demita. E o Moro sorriu e depois riu um pouco mais do mitozinho que tentava intimidar. E o Bolsonaro meio tonto vendo já cair a casa, com a PF eu vou me ferrar”, diz um trecho da paródia que trata do recente episódio do pedido de demissão de Moro e a interferência de Bolsonaro da Polícia Federal.

O autor aponta uma parceria, em que Moro tira Lula das eleições e recebe o cargo de Ministro da Justiça. “Bolsonaro e Moro sempre foram parecido e pra ganhar a eleição a parceria então se fez. Enquanto um fazia arminha com o mão, outro pôs Lula sem provas no xadres. Eles gostavam de Olavo de Carvalho, de homenagear milicianos e de robôs. E Bolsonaro tem medo de ir pra cela e ver seu filhos nelas…”

Até o incomum acordo de pensão do ex-minsitro foi citado: “Para aceitar o ministério no Planalto central Moro exigia uma tal pensão. E Bolsonaro disse ok pra esse esquema pois fraudar sistema e sua vocação”.

“Pra conseguir se eleger, foi só falar do PT e fake news espalhar. E a dupla se empenhou a cada mês, num grande esforço pra se blindar. E os dois tramavam sempre juntos, mas não estava juntos e a lambança se expôs. Porque tudo mundo diz que o ex-juiz tem pressa e lhe interessa 2022”, arremata a versão, em um dos refrões.

Fonte: Revista Fórum

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *