Papa Francisco: que haja trabalho para todos. E que seja trabalho digno, não de escravo

Papa Francisco celebrando missa no Vaticano

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Ao rezar missa no Vaticano, na manhã desta sexta-feira (1), o Papa Francisco destacou a importância do trabalho como fator de dignidade humano e citou as várias modalidades de exploração, como o trabalho escravo e a má remuneração. “Que haja trabalho para todos, e trabalho digno, não de escravo.”

“Hoje, que é festa de São José Operário, também Dia dos Trabalhadores, rezemos por todos os trabalhadores. Por todos. Para que não falte trabalho a nenhuma pessoa e todos sejam justamente retribuídos e possam gozar da dignidade do trabalho e da beleza do repouso”, afirmou Francisco.


ACOMPANHE NOSSAS REDES SOCIAIS


Segundo o líder da Igreja Católica, o trabalho humano é vocação recebida e torna o homem semelhante a Deus, porque passa a ser capaz de criar. “O trabalho dá a dignidade. Dignidade tão espezinhada na história”, lamentou o papa.

Liberdade e proteção

“Também hoje há muitos escravos, escravos do trabalho para sobreviver: trabalhadores forçados, mal pagos, com a dignidade espezinhada. Tira-se a dignidade das pessoas”, acrescentou Francisco, citando os empregados diaristas, a trabalhadora doméstica a quem não se paga o que seria justo e não tem proteção social. “Toda injustiça que se faz ao trabalhador é espezinhar a dignidade humana.”

O papa citou o exemplo do trabalhador que certa vez disse a funcionário da Cáritas que receber pão não era suficiente, que ele queria trabalhar para ganhar o pão. E contou ter conversado há poucos dias com um empresário que não queria fazer dispensar porque “demitir apenas um seria como demitir a mim”.

Ele lembrou que ainda hoje muitos homens e mulheres que não são livres para trabalhar: “São obrigados a trabalhar, para sobreviver, nada mais. São escravos. São trabalhos forçados, injustos, mal pagos e que levam o homem a viver com a dignidade espezinhada. São muitos, muitos no mundo. A escravidão de hoje é a nossa indignidade.”

Fonte: Com informações do Vatican News

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *