STF autoriza inquérito por racismo contra o ministro da Educação, Abraham Weintraub

Abraham Weintraub

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

O ministro da Educação, Abraham Weintraub será investigado por possível crime de racismo.  A abertura do inquérito foi autorizada pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, na madrugada desta quarta-feira (29).

Em 4 de abril, Weintraub fez uma publicação zombando da forma de falar dos chineses. A Embaixada da China reagiu, chamando-o de racista e exigindo um pedido de desculpas.

A postagem de Weintraub insinuava que a China poderia se beneficiar com a crise de coronavírus e usava a forma de falar do personagem Cebolinha, da Turma da Mônica, que troca a letra “R” por “L”.

A abertura do inquérito foi acionada pela Procuradoria Geral da República em 14 de abril. Na decisão do Supremo, ficou determinado o afastamento do regime sigiloso do inquérito e que o ministro seja ouvido sem escolher hora e local. Foi acolhido o pedido para determinar de qual aparelho foi feita a postagem. O prazo para as diligencia é de 90 dias.

O ato do ministro da educação foi tipificado no artigo 2º da Lei 7716/89, que dispõe sobre a “Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional”, com pena de reclusão de 1 a 3 anos e multa.

Fonte: Poder 360

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *