Parlamentares apresentam pedido de impeachment contra Weintraub

Abraham Weintraub

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Um grupo de parlamentares de diversos partidos apresentou nesta quarta-feira (5) um pedido de impeachment contra o ministro da Educação, Abraham Weintraub. A ação tem como base um relatória da Comissão Externa de Acompanhamento do MEC, presidida pela deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) e relatada pelo deputado federal João Campos (PSB-PE).


Fique informado, acompanhe o blog Contra Corrente nas redes sociais:
Facebook, Instagram e Twitter


O pedido, movido pelo deputados federais Felipe Rigoni (PSB/ES) e Tábata, aponta uma “eloquente ineficiência do ministro”. Segundo Rigoni diversas falhas explicitam essa questão: “ausência de políticas de alfabetização; falhas do Enem; favorecimento de apoiadores do Governo; ofensas às mães de diferentes cidadãos; e omissão quanto ao uso de R$ 1 bi resgatados pela Lava Jato”. Apenas 4,4% da verba reservada a investimentos foi executada pela Pasta em 2019.

“A denúncia é baseada em quase um ano de reuniões, requerimentos e análises. Há um relatório robusto comprovando a ineficiência. A Educação é fundamental para o desenvolvimento socioeconômico do país, mas vem sendo tratada com irresponsabilidade”, disse Rigoni em coletiva de imprensa.

Deputados de diversos partidos assinaram a ação e estavam presentes na coletiva. “Essa pluralidade é singular e a educação está movendo essa unidade. O encaminhamento do impeachment é extremamente fundamentado. Os elementos não são objetivos”, declarou a deputada federal Maria do Rosário (PT/RS).

“Esse ministro é uma pessoa desclassificada, agressiva, que vem agredindo aqueles que querem melhor a educação neste país”, disse o deputado Alexandre Frota (PSDB/SP). “É o ministro da educação que luta contra recursos para a Educação”, criticou ainda a deputada federal Margarida Salomão, apontando que Weintraub teria boicotado emenda parlamentar para o Fundeb.

Segundo Rigoni, além dele e Tabata, assinam o documento: João Campos (PSB/PE), Raul Henry (MDB/PE), Reginaldo Lopes (PT/MG), Professor Israel (PV/DF), Aliel Machado (PSB/PR), Rodrigo Agostinho (PSB/SP), Marcelo Calero (Cidadania/RJ), Maria do Rosário (PT/RS), Perpétua Almeida (PCdoB/AC), Margarida Salomão (PT/MG), Danilo Cabral (PSB/PE), Rafael Motta (PSB/RN), Joênia Wapichana (Rede/AP), Fabiano Tolentino (Cidadania/MG) e Alexandre Frota (PSDB/SP); e os senadores Alessandro Vieira (Cidadania/SE) e Fabiano Contarato (Rede/ES).

Fonte: Revista Fórum

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *