Civis compraram tanta munição de tiro quanto as forças de segurança em 2019

Armas e munições

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Dados inéditos sobre a venda de munições no país apontam que os atiradores civis compraram em 2019, pela 1ª vez, a mesma quantidade que as forças de segurança pública: pelo menos 32 milhões de projéteis.

O levantamento foi feito via Lei de Acesso à Informação pelo Instituto Sou da Paz, e publicado pelo jornal O Globo neste domingo (02/02).

No ano passado, civis foram destinatários de vários decretos do presidente Jair Bolsonaro com flexibilização de regras para adquirir armas e munições. Segundo os dados obtidos pelo Globo, o volume comprado pelo grupo ainda superou em 143% o quantitativo de munições que o Exército informou ter adquirido (13,2 milhões) no ano passado.


Fique informado, acompanhe o blog Contra Corrente nas redes sociais:
Facebook, Instagram e Twitter


De 2018 a 2019, as compras diretas dos atiradores subiram 17,2%, enquanto o número de projéteis adquiridos pelos órgãos de segurança pública, incluindo as secretarias de gestão prisional, caiu 14,8%.

Clubes de tiro, federações e confederações também compraram mais no ano passado em relação ao anterior: o volume subiu 30%, de 2 milhões para 2,6 milhões de munições.

A reportagem destaca que a explosão na aquisição de munições por parte dos atiradores acende 1 alerta: o material adquirido pelo grupo não tem qualquer marcação de lote inscrito no cartucho. É com esse dado que investigadores podem rastrear a origem de projéteis encontrados em cenas de crime. Serve também para evitar e apurar desvios.

Pela lei, somente munições usadas pelas forças de segurança pública e pelas Forças Armadas precisam ser marcadas. Essa parcela, no entanto, representa apenas 22% do que foi colocado em circulação no país ano passado. Em 2018, esse índice era de 27%.

Em nota, o Exército informou que há estudos em andamento para ampliar a obrigatoriedade de uso de munições marcadas e que “o aumento crescente de munições compradas pelos atiradores, que não têm marcação de lote no cartucho, não traz riscos para a segurança pública, tendo em vista que, para serem atiradores registrados no Exército, é necessário ter idoneidade comprovada no processo de registro.”

O Presidente da Associação CAC Brasil (Caçadores, Atiradores e Colecionadores do Brasil), Marcelo Midaglia Resende, afirma que o grupo usa muita munição porque faz treinos intensivos —ao menos os que atuam como atletas de alto rendimento, que ele calcula em 35% do total.

“Tem policial que em 30 anos não deu 1 disparo, enquanto o CAC precisa treinar sempre. Para ter determinadas autorizações no Exército, o atirador tem que comprovar que praticou ao menos 8 vezes no ano”.

Daniel Cerqueira, pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) na área de segurança, diz que os decretos de Bolsonaro sobre armas —ao menos 8 ao longo de 2019, dos quais 4 estão em vigor— têm relação com o aumento de munições colocadas em circulação no país.

“Sem contar o risco de essas armas e munições que vão se proliferar caírem, no futuro, no mercado ilegal. Estudos mostram que boa parte das armas legais acabaram nas mãos de criminosos porque são furtadas, roubadas”, explica.

Fonte: Poder360

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *