Dólar passa de R$ 4,28 e fecha no maior nível desde criação do real

Dólar

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Em um dia marcado por forte volatilidade no mercado financeiro, o dólar voltou a subir e fechou no maior valor nominal desde a criação do real. O dólar comercial encerrou a sexta-feira (31) vendido a R$ 4,286, com alta de R$ 0,027 (0,63%).

Foi a terceira sessão seguida de alta da moeda norte-americana, que encerrou janeiro com valorização de 6,8% em relação ao real. Essa foi a maior alta para meses de janeiro em dez anos. A divisa sobe há cinco semanas seguidas. O euro comercial também subiu e fechou o dia em R$ 4,753, alta de 1,5%.


Fique informado, acompanhe o blog Contra Corrente nas redes sociais:
Facebook, Instagram e Twitter


Nem a intervenção do Banco Central (BC) segurou a cotação. Hoje, a autoridade monetária vendeu US$ 3 bilhões das reservas internacionais com compromisso de recomprar o dinheiro em junho.

A turbulência repetiu-se no mercado de ações. Depois de uma recuperação ontem (30), o índice Ibovespa, da B3 (antiga Bolsa de Valores de São Paulo), fechou o dia com queda de 1,66%, aos 113.605 pontos. O indicador operou o dia todo em baixa.

A sessão foi marcada pelo receio de que o novo vírus descoberto na China traga impactos para a segunda maior economia do planeta. Ontem, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou estado de emergência global  por causa da doença. A China e países próximos adotaram medidas para conter a disseminação da doença.

O anúncio pelo governo chinês de que o coronavírus terá menos impacto na saúde e na economia do que a epidemia de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars, sigla em inglês), em 2003, foi insuficiente para acalmar o mercado . A taxa de mortalidade do vírus, até agora, está em 2%, menor que a de outras epidemias globais.

O confinamento dos habitantes de diversas cidades afetadas pela doença reduz a produção e o consumo da China. A expectativa de desaceleração da economia chinesa impacta diretamente países como o Brasil, que exporta diversos produtos, principalmente commodities (bens primários com cotação internacional) para o país asiático. Com menos exportações, menos dólares entram no país, pressionando a cotação para cima.

As expectativas em torno da política monetária também interferiram nas negociações. Na próxima semana, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central define os juros básicos no Brasil. Caso a taxa Selic – juros básicos – caia para 4,25% ao ano, o país se tornará menos atrativo para os investidores externos, e a entrada de dólares diminuirá.

Fonte: Agência Brasil

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *