ONG de Damares é acusada de tráfico de crianças indígenas

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp


De acordo com matéria da Folha de São Paulo, a Atini, sob um falso selo humanitário, é acusada de explorar o infanticídio de crianças indígenas para legitimar sua agenda. Em 2016, a Polícia Federal pediu informações à Fundação Nacional do Índio (Funai) sobre supostos “tráfico e exploração sexual” de indígenas para apurar a atuação da fundação da ministra e outras duas ONGs.

A Funai, a partir de 2019, ficará sob guarda da pasta chefiada por Damares, que prometeu pôr em sua presidência alguém que “ame desesperadamente os índios”. O processo sobre as organizações ainda tramita no órgão.

Damares Alves fundou a Atini em 2006 e se vangloriava por supostamente ter salvo ao menos 50 crianças em situação de risco, algumas delas enterradas vivas. Ela se afastou da Atini em 2015 para integrar o gabinete do senador Magno Malta (PR/ES), onde prestava assessoria jurídica à bancada evangélica no Congresso.

Veja a matéria na íntegra da Folha de São Paulo.

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *